Total vai montar parte da sua logística na ilha Mayotte

0 99

A Total espera criar uma base logística em Mayotte para as suas operações offshore de Moçambique. A ilha francesa, por sua vez, está olhando para o panorama geral e sonha em se tornar a base permanente de retaguarda, no Oceano Índico.

O grupo francês Total, alarmado com a deterioração da situação de segurança na província de Cabo Delgado, no norte de Moçambique, onde está a desenvolver dois comboios de liquefacção no valor de $ 20 mil milhões, pretende realocar algumas das suas actividades.

Segundo nossas informações o Big Boss da Total Patrick Pouyanné vem negociando com as autoridades de Mayotte para auxiliar nas operações offshore. Mayotte serviria inicialmente como uma plataforma logística, em particular para armazenar alguns dos equipamentos necessários para o trabalho offshore. As autoridades da ilha fizeram de tudo para onde 84% das pessoas vivem abaixo da linha da pobreza.

Mayotte destacou seus muitos pontos fortes em sua tentativa de cortejar Total. Situa-se a cerca de 500 km da cidade moçambicana de Pemba, capital da província de Cabo Delgado. No lado logístico, possui um porto de águas profundas e uma pequena base naval em Dzaoudzi. Um destacamento da Legião Estrangeira Francesa comandado pelo Coronel Hugues Latournerie está permanentemente implantado na ilha.

Também possui um complexo hospitalar totalmente funcional, uma raridade na região, e espera que a Total ali hospede as famílias de seus trabalhadores expatriados. Esse projeto em particular não é provável que aconteça em um futuro próximo. A pandemia Covid-19 forçou a empresa a enviar seus trabalhadores sem suas famílias, e essa política permanecerá em vigor pelo menos até junho.

Outras restrições logísticas podem prejudicar as grandes esperanças da ilha. A pista de 1.930 m em Dzaoudzi-Pamandzi, o aeroporto principal, não é grande o suficiente para acomodar aeronaves muito grandes. O presidente francês Emmanuel Macron tem pouco mais de um ano para cumprir sua promessa de campanha eleitoral de uma extensão da pista para 2.600 m antes que seu mandato termine em 2022.

Outro problema é que a Total trabalha com uma série de subcontratados em Moçambique que relutam em se mudar para Mayotte. A Total, porém, pediu a essas empresas que avaliassem os custos de transferência de algumas operações para lá. Esta solução de fallback pode ajudá-lo a evitar futuras paralisações de suas atividades. As suas operações no norte de Moçambique estão actualmente paradas depois que a violência jihadista em Cabo Delgado obrigou o grupo a repatriar a maior parte da sua força de trabalho para a capital Maputo no final do ano passado. (Africa Intelligence) (CARTA)

Leave A Reply

Your email address will not be published.