Total previu ataque dos insurgentes a 1 de janeiro

0 264

Os insurgentes chegaram às portas do projeto Afungi LNG na sexta-feira, 1º de janeiro. Depois de uma série de ataques cada vez mais próximos, a Total evacuou a maior parte de sua equipe de Afungi e Palma na semana passada. Os combates continuaram ontem e os militares proibiram o tráfego marítimo para Afungi e Palma.

Os insurgentes estão movendo-se para o norte e aproximando-se de Afungi: + Desde agosto, os insurgentes controlam Mocímboa da Praia, 55 km ao sul de Afungi.

+ 9 de dezembro: os insurgentes atacaram Mute (também Muite), 21 km ao sul de Afungi. Os insurgentes foram então repelidos com a ajuda de helicópteros DAG (mercenários). O Presidente Filipe Nyusi confirmou pessoalmente o ataque e prosseguiu: “Há três dias, o inimigo queria aproximar-se de Afungi. Mas, graças aos nossos jovens, eles não tiveram sucesso. Nossos jovens lutadores têm aceitado seu papel neste combate.”

Mas ele falou cedo demais.

+ 24 de dezembro: Os insurgentes voltaram a Mute, queimando casas e levando comida. O grupo de 80-120 insurgentes foi novamente expulso após violentos combates, com mortes e feridos.

+ 29 de dezembro: Insurgentes atacaram Monjane (também chamado de Mondlane) a apenas 5 km ao sul da cerca da fronteira de Afungi; novamente houve luta. Uma patrulha militar foi emboscada na estrada de Monjane ao norte para Patacua, na orla da zona de Afungi, com dois militares e um insurgente mortos. Houve também um ataque a Olumbe (também Olombe) na costa 14 km ao sul da fronteira de Afungi, com pessoas sequestradas. Isso acelerou a fuga do pessoal da Total. (Fontes: Bloomberg 29 dez, 1 jan; Intelyse 25 dez; Pinnacle News 29 dez, 2 jan; Lusa 10, 29 dez; AIM 11 dez)

+ Sexta-feira, 1 de janeiro: Ocorreram ataques à aldeia de reassentamento de Quitunda, que se encontra na área Total mas fora da cerca, e ao acampamento da Polícia de Motim (UIR) na estrada principal para o empreendimento Afungi, mesmo às portas do projeto. Houve algumas lutas e baixas, mas é difícil estabelecer a gravidade desses dois ataques. Pinnacle News (2 de janeiro) relata que os combates continuaram até tarde ontem. A estação chuvosa começou e os insurgentes têm reunido reservas de alimentos na maioria das incursões, e o acampamento do UIR é a cozinha principal da força-tarefa conjunta da polícia militar.

Os insurgentes também deixaram folhetos dizendo que Palma será atacada na terça-feira, 5 de janeiro. (JH)  

Fonte: Carta de Moz


Leave A Reply

Your email address will not be published.